• Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

    Junte-se a 113 outros seguidores

  • Arquivos

Teste de lógica: como se preparar para a etapa nos processos seletivos?


Muito comuns em processos seletivos concorridos, provas de lógica funcionam como filtros iniciais e exigem calma, foco e preparação dos candidatos

gabarito

 

O nome indica: um teste de raciocínio lógico avalia a habilidade do indivíduo de raciocinar de maneira lógica, ou seja, que faz sentido. E fazendo isso através do uso de argumentos, premissas, declarações e afirmações que definem se algo é certo ou errado naquele contexto…

 

“Não se trata de fazer conta de cabeça, mas de passar por um processo lógico. Como chegar na informação? Que caminho tomar?”, resume Gustavo Nascimento, sócio-diretor da Br Talent, empresa especializada em recrutamento. É uma forma de medir a capacidade analítica do candidato – ou seja, sua capacidade de analisar problemas e propor estratégias de solução – e o tipo de raciocínio que ele adota nesse processo.  

Dessa forma, esses testes acabam aferindo, de uma forma ou de outra, um traço profissional que todas as empresas desejam: a capacidade de resolver problemas.

Gustavo explica que exames do tipo passaram a ser mais frequentes na última década e aparecem principalmente nas fases iniciais de processos com volume alto de candidatos, como concursos públicos, programas de estágio e de trainee. 

“Foi uma exigência do mercado, que queria formas de absorver seu público alvo nos processos seletivos”, explica. “Em 2005, tínhamos programa de estágio com três mil inscritos, mas com a maior inserção do brasileiro no ensino superior esse número aumentou e hoje bate na casa das 20 mil pessoas.”

raciocinio-logico
Exemplo de questão de lógica comum nos processos de trainee

A própria Fundação Estudar utiliza testes de lógica tanto na seleção da própria equipe quanto no seu programa de bolsas de estudo, em que a concorrência chega 60 mil candidatos para cerca de vinte vagas.

Esses testes também são favoritos de empresas do ramo financeiro, que costumam ser exigentes quanto aos resultados, já que os desafios diários do mundo dos investimentos demandam alta capacidade analítica. Ainda assim, tais exames são hoje empregados pelos mais diversos setores, das grandes corporações a organizações não governamentais. 

O nível de dificuldade da prova depende das características da vaga. “Um teste para um cargo de gerência será diferente de um teste para iniciantes”, esclarece Gustavo. A diferença pode aparecer até dentro de um mesmo processo seletivo: candidatos a uma vaga de engenharia podem responder perguntas mais difíceis que os outros, por exemplo.

Os processos mais concorridos costumam ter testes de lógica com níveis de dificuldade altos, e são raros os candidatos que gabaritam a prova, então não fique nervoso se acha que cometeu erros ou não sabia a prova inteira. Da mesma fora, as questões mudam de tempos em tempos, tanto para evitar que candidatos fiquem viciados na respostas como para prevenir que surjam colas e gabaritos.

E o que uma nota ruim sinaliza? “O teste é muito situacional, então se você não estiver num bom dia e apresentar um desvio grande, o recrutador normalmente vai reaplicá-lo”, tranquiliza Gustavo. Importante mesmo é não ser totalmente surpreendido.

Como se preparar 

Antes de encarar as perguntas, é bom relembrar estruturas de raciocínio lógico, como deduções (conclusão através da análise de fatos), inferências (conclusão a partir de premissas), equivalências, negações e analogias, entre outras.

Vale lembrar que alguns tipos de questões costumam ser bastante recorrentes, como as que testam o raciocínio dedutivo. Esse tipo específico de raciocínio (que faz parte do raciocínio lógico) nada mais é do que a capacidade de partir do geral para chegar ao particular, e fazer isso por meio de premissas. Para isso, precisamos avaliar o quanto uma regra geral se aplica a situações específicas. Um exemplo simples: Todo metal é dilatado pelo calor. Prata é um metal. Prata é dilatada pelo calor?

Também são comuns as questões de raciocínio indutivo, que seguem o caminho inverso: partem de uma proposição específica para generalizá-la e aplicá-la em um cenário geral. A gente te explica! Indução é quando supomos que, quando certo fato se repete várias vezes, ele pode ser considerado regra geral e se repetirá de novo. É o caso da máxima de “só existem cisnes brancos”; quem disse isso imaginou que todos os cisnes fossem brancos, pois só havia observado cisnes dessa cor. Na vida real pode não ser bem assim que as coisas funcionam, mas para os testes de lógica vale o raciocínio da indução. Veja o exemplo abaixo:

teste de logica
Exemplo de exercício de raciocínio indutivo, em que só é possível adivinhar qual será o preenchimento do quadrado mais alto se pressupormos que será seguido o mesmo padrão observado no preenchimento do restante da figura

Do lado matemático, é importante revisar conceitos básicos de geometria e intersecções de conjuntos. Também vale rever equações de primeiro grau, probabilidade, análise combinatória, progressões aritmética e geométrica, frações e porcentagens e regra de três.

Não se assuste com os nomes: são coisas que você provavelmente já sabe e esqueceu. Outra boa notícia é que não faltam fontes de estudo, como as aulas da Khan Academy e do PCI Concursos, além dos simulados gratuitos e passo a passo oferecidos por sites como QConcursos e Professor Cardy.

É vital acompanhar atentamente a resolução dos problemas, mesmo se você tiver acertado. É essa prática que lhe permitirá entender a estrutura mental por trás da conclusão – ou seja, entender o próprio raciocínio lógico – e se aprimorar cada vez mais.

O ambiente da prova também é ponto de destaque. Como um teste de raciocínio lógico exige foco e dura entre uma hora e uma hora e meia, é fundamental estar calmo, num espaço confortável e evitar interrupções. “O nível de concentração é um dos principais fatores que determinam o sucesso do candidato”, diz Gustavo.

Uma vez imerso, sempre leia tudo com atenção. Compreenda cada parte do enunciado e lembre-se que só porque a sentença é verdadeira no mundo (como “o céu é azul”) não significa necessariamente que seja a certa. Em testes de lógica, tudo depende do contexto da questão – talvez naquele momento o céu seja vermelho mesmo.

Outra dica é pesquisar a empresa em questão. Algumas aproveitam para personalizar as provas e incluir nas questões seus próprios produtos, métodos de distribuição e operações logísticas, entre outros temas, na tentativa de criar familiaridade entre candidato e companhia.

De qualquer maneira, esse conhecimento generalizado é útil para dar um passo à frente da concorrência. “Encontrar um jovem que conheça um pouco da empresa antes de entrar nela é uma das grandes dificuldades que temos hoje”, finaliza Gustavo.

Exemplos de testes de lógica

Abaixo estão três das muitas questões de raciocínio lógico disponíveis no site QConcursos. Caso pareçam difíceis, lembre-se: é possível (e recomendável) treinar seu raciocínio lógico.

Pergunta 1: Sobre equivalências
“Se João estuda, então Marcela chora.” A negação dessa proposição é logicamente equivalente a:

a) Se João não estuda então Marcela não chora.
b) João não estuda ou Marcela não chora.
c) João não estuda e Marcela não chora.
d) João estuda e Marcela não chora.
e) João estuda ou Marcela não chora.

Resposta: D. Uma negação mantém a primeira sentença (“Se João estuda”) e nega a segunda (“então Marcela chora”).

Pergunta 2: Sobre sequências lógicas
Os números 2, 3, 4, 5, 8, 7, 16, 9,…, apresentam uma sequência lógica. Nessas condições, o décimo primeiro termo da sequência é:

a) 64
b) 11
c) 13
d) 128

Resposta: A. Os números pares dobram (2, 4, 8, 16) e os ímpares somam 2 (3, 5, 7, 9).

Pergunta 3: Sobre probabilidade
Uma formiga, um rato e uma cobra atravessam um deserto. Sabe-se que a probabilidade da cobra, do rato e da formiga conseguirem percorrer nesse deserto mais que 10 km são, respectivamente, 4/5, 3/5 e 3/4. Considerando os eventos independentes, a probabilidade de somente o rato conseguir percorrer mais que 10 km é:

a) 3%
b) 5%
c) 7%
d) 9%
e) 12%

Resposta: A. As chances do rato conseguir atravessar são 3/5 e as chances da cobra e da formiga não conseguirem são, respectivamente, 1/5 e 1/4. Basta multiplicar os três valores, que também podem ser expressados como 0.60 (ou 60%), 0.20 (20%) e 0.25 (25%). O resultado é 0.03, ou 3%.

Fonte: Portal Na Prática

%d blogueiros gostam disto: