• Consulta de cursos, instituições de ensino e atribuições







  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

    Junte-se a 175 outros seguidores

  • Arquivos

Guia de carreiras: engenharia da computação


Profissionais da Ebecom cria sistemas para tablets e para irrigação, na área da agricultura (Foto: Divulgação)Mercado está aquecido e deve crescer ainda mais’, diz engenheiro.
Curso exige dedicação e profissional precisa se manter atualizado.

Fã de tecnologia e amante das ciências exatas. Assim deve ser o estudante que pretende seguir carreira em engenharia da computação. O aluno que encara a carga pesada de cálculo e as demais disciplinas exigidas na graduação concluída em, no mínimo, cinco anos tem em contrapartida um mercado de trabalho aquecido, onde faltam profissionais qualificados.

O engenheiro da computação é o profissional habilitado a integrar softwares a equipamentos de diversos fins. Ele é responsável por fazer funcionar, por exemplo, sistemas de rastreamento de veículos, de irrigação (na área da agricultura), automação de residências, além de celulares, computadores de bordo e mais uma infinidade de dispositivos eletrônicos. A profissão exige conhecimento eletrônico e do equipamento.

“O curso dá uma boa base de informática e de todas as engenharias, por isso tem uma abrangência grande. A carga horária é bastante pesada e muita gente que desiste pela complexidade. É preciso estudar, mas vale a pena”, afirma o engenheiro da computação Clayton de Souza Silva, 34 anos.

guia de carreiras engenharia da computação (Foto: Arte g1)Tecnologia e informática
Silva é diretor comercial de uma empresa privada chamada de Empresa Brasileira de Engenharia da Computação (Ebecom) com sede em Curitiba onde trabalham outros 11 engenheiros da computação. Um dos ramos de atuação da empresa é produzir aplicativos para sistemas de rastreamento e sistemas para tablets e smartphones que interagem com dispositivos eletrônicos.

Para Silva, o mercado de trabalho para engenharia da computação está aquecido e deve crescer ainda mais. “O Brasil está nacionalizando a tecnologia e o governo incentiva que parte de muitos equipamentos tem de ser produzido aqui. O problema é que nas áreas de informática e engenharia faltam profissionais e tem muita gente que é trazida do exterior para trabalhar no Brasil”, diz.

Para trabalhar com engenharia da computação o profissional precisa se manter sempre atualizado. Silva lembra que disciplinas que estudou no primeiro ano do curso na PUC-Paraná onde se formou tiveram de ser revistas no último ano. “Engenheiro é feito para resolver problemas, tem de gostar de tecnologia e se manter atualizado”, afirma.

Ciência e engenharia
Apesar de terem denominações parecidas, os cursos de engenharia e ciência da computação têm suas diferenças.

O cientista está mais focado no desenvolvimento de programas (software) para fazer o equipamento (hardware) funcionar. O engenheiro, por sua vez, tem essa habilidade, porém de forma mais superficial, mas aprende também a construir circuitos e dispositivos (hardware). Este tem conhecimento na área de engenharia elétrica.

Outra exigência da profissão é o domínio do inglês, já que, segundo o engenheiro Silva, muitas linguagens de programação de informática e manuais de dispositivos eletrônicos não são encontrados na língua portuguesa.

Apesar das classes de engenharia nas instituições de ensino superior ainda serem predominantemente masculinas, Silva garante que as mulheres que se formam em engenharia da computação são bem-vindas no mercado de trabalho. “Na minha turma eram 70 homens e duas mulheres, mas não acho que o mercado restringe a entrada delas. Conheço engenheiras muito bem sucedidas.”

Fonte: Globo.com

Anúncios

Uma resposta

  1. Olá, sobre o curso de Engenharia de Computação, eu criei um blog que fala mais sobre o assunto, caso possa dividir com os usuários o link é http://www.jallci.wordpress.com
    Valeu e boa sorte com o blog 🙂

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: