• Consulta de cursos, instituições de ensino e atribuições







  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

    Junte-se a 171 outros seguidores

  • Arquivos

Aprendendo a ser solidário


aprendendo a ser solidário

Ao invés de brincadeiras violentas, calouros participaram de atividades em prol da comunidade.

Trote em uma faculdade de Londrina incentiva doação de sangue e arrecadação de alimentos.

Transformar um rito de passagem violento e humilhante em uma celebração inteligente e solidária. Essa é a proposta da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná ao instituir o Trote Solidário. Na manhã de ontem calouros, veteranos e colaboradores do campus Londrina puderam doar sangue e preencher o cadastro do banco de medula óssea.

”Temos essa proposta de tornar a entrada na universidade, que é tão importante para os jovens, em algo bom para a sociedade também. Assim substituímos as brincadeiras violentas por diversas atividades artísticas e solidárias. Seguimos os valores maristas e por isso prezamos pela dignidade humana, ”, explica Leonir Nardi, assessor do Núcleo de Pastoral da PUCPR em Londrina. participaram de atividades em prol da comunidade.

Transformar um rito de passagem violento e humilhante em uma celebração inteligente e solidária. Essa é a proposta da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná ao instituir o Trote Solidário. Na manhã de ontem calouros, veteranos e colaboradores do campus Londrina puderam doar sangue e preencher o cadastro do banco de medula óssea.

”Temos essa proposta de tornar a entrada na universidade, que é tão importante para os jovens, em algo bom para a sociedade também. Assim substituímos as brincadeiras violentas por diversas atividades artísticas e solidárias. Seguimos os valores maristas e por isso prezamos pela dignidade humana, ”, explica Leonir Nardi, assessor do Núcleo de Pastoral da PUCPR em Londrina.

A doação de sangue é só uma das atividades solidárias desenvolvidas pelos alunos. Hoje os calouros estarão em dois supermercados arrecadando alimentos que serão doados para instituições beneficentes.

Para o Hemocentro, a parceria com a universidade, que começou em 2007, é de grande valia, principalmente nesta época do ano quando o número de doações é insuficiente para atender a demanda. ”Temos os feriados de final de ano, depois o mês de janeiro e por fim o Carnaval, quando muitas pessoas viajam e há também um aumento da necessidade de bolsas. Com isso nosso estoque fica em níveis críticos e precisamos convocar os doadores”, conta Rosane Higemberg, funcionária do Serviço Social do Hemocentro.

De acordo com ela, a maior necessidade é de sangue com RH negativo, de qualquer tipo. A necessidade varia conforme o tipo sanguíneo, mas como exemplo da falta de sangue, Rosane conta que nesta semana o Hemocentro só dispunha de duas bolsas tipo A negativo, quando o normal é de no mínimo 30 bolsas.

”Uma bolsa pode servir a até quatro pessoas, mas depende muito do procedimento médico a ser feito. Um acidentado pode necessitar de muitas bolsas”, exemplifica Rosane.

Campanha

A caloura de Direito, Izabella Alves, conta que já sabia do trote solidário e acha importante colaborar com a sociedade. Ontem foi a segunda vez que ela doava sangue e por isso estava tranquila. ”Nunca conheci ninguém que precisasse receber sangue, mas doo mesmo assim. Nunca se sabe se um dia nós mesmos vamos precisar, não é?”

Calvin Crestani, aluno do segundo ano de Administração, diz que também não era a primeira vez que doava. ”No Tiro de Guerra costumava participar das campanhas e pretendo continuar, afinal, se temos sobrando, porque não colaborar? Meu avô já precisou de doação e o pessoal do Tiro ajudou”, afirma.

A colaboradora Simoni Cristina Goiano de Souza também é uma veterana nas doações e só parou no período em que estava grávida e depois amamentando. ”Faz quatro anos que já colaboro. A primeira vez fui doar porque vi na televisão que muitas pessoas precisavam de sangue. Tive medo da agulha, mas a vontade de ajudar foi maior. Mas não dói nada e hoje só peço para eles não mostrarem a agulha”, aponta, rindo.

Serviço – Interessados em doar sangue devem ter entre 16 e 68 anos (menores precisam estar acompanhados dos responsáveis), pesar no mínimo 50 quilos e estar em boas condições de saúde. Neste feriado o Hemocentro estará aberto até amanhã e volta a funcionar na próxima quinta-feira. Mais informações pelo fone (43) 3371-2356.

Fonte: Folha de Londrina

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: