• Consulta de cursos, instituições de ensino e atribuições







  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

    Junte-se a 171 outros seguidores

  • Arquivos

Curitiba é a cidade mais verde da América Latina


Curitiba ficou em primeiro lugar no Latin America Green City Index (Índice de Cidades Verdes da América Latina), divulgado neste domingo (21) na Cidade do México, durante a Cúpula Mundial de Prefeitos sobre o Clima. O índice foi feito pela Siemens e pelo grupo da revista inglesa The Economist, para apontar as cidades mais ambientalmente sustentáveis do continente.
“Esse título tem muitos significados, mas apenas uma origem: a capacidade que os curitibanos vêm demonstrando, ano após ano, de adotar uma agenda sustentável de maneira consciente e consistente”, disse o prefeito Luciano Ducci, no México, onde recebeu troféu pelo desempenho de Curitiba no Green City Index.
A capital paranaense ficou à frente de cidades como Buenos Aires, Santiago, Medellín, Bogotá, Quito, Guadalajara, Monterrey, Puebla, Cidade do México, Lima, Montevidéu, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.
“Cidade é gente. E, onde há gente, há desafios, necessidades, demandas. E essa é uma maneira de olhar a coisa. Mas, onde há gente, há potencialidades, soluções, respostas. E esse é o jeito curitibano de olhar a cidade. Eu acredito que foi isso que o estudo do Índice de Cidades Verdes da América Latina revelou”, afirmou Luciano Ducci. “Outra característica importante é a adoção de boas práticas pela nossa população, ações cotidianas por parte de pessoas que entendem a importância de cada um que deseja uma cidade melhor para se viver”.

Luciano Ducci recebe prêmio no México.

A Siemens contratou a Economist Intelligence Unit (Unidade de Inteligência da Economist) para desenvolver o Green City Index. É o primeiro estudo já feito na América Latina sobre cidades e sustentabilidade com essa amplitude.
 “O Índice de Cidades Verdes da América Latina ajudará as cidades a aprenderem mais umas com as outras, e forma uma base objetiva para a troca de ideias a respeito de estratégias bem-sucedidas”, disse Peter Löscher, presidente da Siemens. “Estamos propiciando para as cidades envolvidas no estudo importantes informações sobre proteção climática eficiente e fazendo parceria com elas no desenvolvimento de soluções de infra-estrutura abrangentes e sustentáveis”.
 O estudo na América Latina envolveu cidades de oito países e permitiu uma avaliação de itens como transporte, qualidade do ar, energia e emissões de CO2, coleta de lixo, saneamento, água, gestão ambiental e uso do solo. “O estudo demonstra que as cidades que adotam uma abordagem do todo têm uma pontuação especialmente boa”, explicou Leo Abruzzese, Diretor de Projeções Globais da Economist Intelligence Unit.
O Green Index verificou se o desempenho das cidades está abaixo da média, na média, acima da média ou bem acima da média. Curitiba foi a única cidade com classificação bem acima da média.
Para Stefan Denig, encarregado do projeto Green Index na Siemens, os resultados do estudo ajudarão as cidades a compreender melhor os seus desafios em meio ambiente e a dar-lhes repostas.
“Da mesma forma, permitirá às instâncias pertinentes tomar decisões sobre como reduzir o impacto ambiental das cidades, fazendo, por exemplo, que seu fornecimento de energia, seus sistemas de tráfego ou seus edifícios sejam mais eficientes do ponto de vista energético e mais respeitosos com o meio ambiente”, disse Denig.
A Economist está fazendo o levantamento na Ásia e Oceania, África e América do Norte. O da Europa já foi concluído e divulgado, com Copenhague, na Dinamarca, em primeiro lugar. Os estudos farão parte do Índice de Cidades Ecológicas, que irá comparar o desempenho ambiental de cidades de diferentes regiões do mundo.
 Cúpula: Luciano Ducci também participou no México da Cúpula Mundial de Prefeitos sobre o Clima, evento com o objetivo de promover e estabelecer um pacto afirmando que as cidades devem ter uma presença mais marcante e uma voz mais ativa nas negociações climáticas globais. Os prefeitos assinaram o Pacto Climático Global de Cidades, também chamado de Pacto da Cidade do México.
“Curitiba trabalha determinada na busca da sustentabilidade e prova que ações locais podem servir como instrumento de um grande projeto de conservação das diferentes formas de vida em todo o mundo”, disse Luciano Ducci.

*Fonte: Portal da Prefeitura de Curitiba

Anúncios

Uma resposta

  1. titulo merecido

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: